Resultados

download report

Transcript Resultados

44ª Assembleia Nacional
XVIII Exposição de Experiências Municipais em Saneamento
07 de maio de 2014 – Uberlândia/MG
O impacto da Portaria MS 2914/2011 nos
Laboratórios de Análises e Controle de Água
das empresas de saneamento
SANASA - Campinas
Sede Administrativa
Abastecimento de
Água e Esgotamento
Sanitário de
Campinas
Índice de cobertura:
• Abastecimento de água: 99%
• Coleta e afastamento de esgoto: 88%
Ref. dez/2013
Portaria MS 2914/2011
“Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância
da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de
potabilidade.”
“Art. 21. As análises laboratoriais para
controle e vigilância da qualidade da
água para consumo humano podem ser
realizadas em laboratório próprio,
conveniado ou subcontratado, desde
que se comprove a existência de
sistema de gestão da qualidade,
conforme os requisitos da NBR
ISO/IEC 17025:2005.”
(Prazo: dezembro de 2013)
NBR ISO/IEC 17025
Norma Acreditável pelo INMETRO
que visa à adoção de um padrão
internacional e único para atestar a
competência dos laboratórios para
realizar ensaios e/ou calibrações,
incluindo amostragem.
Estabelece os critérios para os
laboratórios que objetivam demonstrar
sua competência técnica, possuem
um sistema da qualidade efetivo e são
capazes de produzir resultados
tecnicamente válidos.
Objetivos do trabalho
Apresentar o processo de
implantação do sistema de
gestão da qualidade de
Laboratório, baseado na
NBR ISO/IEC 17025 bem
como a integração com os
requisitos da NBR ISO
9001.
ISO/IEC
17025
ISO
9001
QUALIDADE
Metodologia
Ciclo PDCA – Melhoria Contínua
Act
Plan
Check
Do
Metodologia - Planejamento
Equipe de trabalho – grupo multidisciplinar:
capacidade técnica, economia de recursos e
conhecimentos específicos da área de
saneamento.
Reuniões no Laboratório de Análise e Controle de
Água.
Visitas ao Laboratório de Serviço Municipal
acreditado.
Metodologia - Planejamento e Execução
Estudos, mapeamentos e elaboração de procedimentos para integração
dos sistemas de gestão
Requisitos de Direção:
controle de registros;
controle de documentos;
controle de produtos não conformes, ações
preventivas, corretivas, melhorias contínuas;
análise crítica de direção;
auditorias internas.
Requisitos Técnicos:
estimativa de incerteza de medição;
validação de métodos;
registros diários;
mudanças na rotina do pessoal.
Metodologia - Verificação
 Curso: Auditor Interno da Qualidade com base nos requisitos da
NBR ISO/IEC 17025;
 Formação de 10 auditores internos – 4 membros da Gerência de
Gestão da Qualidade e Relações Técnicas e 6 de diferentes
laboratórios.
Equipe 2 –
Requisitos
Técnicos
Equipe 1 –
Equipe 3 –
Requisitos
Integração
de Direção
dos sistemas
Auditoria
Interna
Preliminar
Resultados
Tabela - Resultado da auditoria interna distribuído por equipe
Relatórios de
NãoOportunidade
Conformidade
Observação
auditoria
Conformidade
de Melhoria
Total por
Equipe
Equipe 1
(Requisitos
de Direção)
6
0
2
5
13
Equipe 2
(Requisitos
Técnicos)
2
1
5
7
15
Equipe 3
(Sistema de
Gestão)
0
0
0
5
5
Total de 33 relatórios.
Resultados
Resultados
 Conformidades:
 Item 4 “Requisitos de Direção”;
• Possuem controles estabelecidos e realizados de maneira
eficaz (salvo pequenas adequações);
• O laboratório participa de programas de comparação
interlaboratorias e para ensaios biológicos também realizam
ensaios replicados, utilizando métodos diferentes.
Resultados
 Observações:
 Item 5.4 “Métodos de ensaio e calibração e validação de
métodos”;
• Incerteza de medição;
• Existência de sistemáticas requeridas pela norma e ausência
de registros.
Resultados
 Oportunidades de Melhoria:
• Como oportunidade de melhoria devem adaptar alguns
documentos para que atendam de forma integrada as
normas ISO 9001 e ISO/IEC 17025;
• Registrar atividades técnicas, tais como verificações diárias
de equipamentos e condições ambientais. Os registros de
cada ensaio devem conter informações suficientes para
facilitar a identificação de fatores que afetem a incerteza e
possibilitar que o ensaio seja repetido em condições o mais
próximo possível (padronização).
Resultados
 Não-Conformidade:
• Procedimento de coleta não estava disponível ao
técnico no local da amostragem;
• NC: ISO/IEC 17025 e ISO 9001.
PDCA - Agir
 Próxima Etapa:
• Tomar ações a partir dos apontamentos realizados em
auditoria para que os requisitos da NBR ISO/IEC 17025
sejam plenamente atendidos, evitando futuras nãoconformidades, retrabalhos e inconsistências nos
resultados das análises;
• Consequência: conformidade com a Portaria 2914.
Discussões/Conclusões
Maiores
dificuldades
para
a
implantação de sistemas de gestão é a
adoção de práticas rotineiras para
controlar documentos e registrar
atividades.
Quando já existe um sistema de gestão implantado,
estas dificuldades são facilmente superadas na
implantação de outros tipos de sistemas de gestão.
Discussões/Conclusões
O impacto da Portaria MS 2914
apresenta-se inicialmente como algo
desafiador
às
empresas
municipais de saneamento.
Mesmo que a implantação de um sistema de gestão conforme
requisitos da ISO/IEC 17025 não seja uma tarefa fácil, dada a
particularidade de informações e especificações técnicas, é de
fundamental importância.
Confere ao Laboratório a possibilidade de acreditar seus
ensaios, o que resultará em ampla credibilidade e qualidade
analítica.
Amanda Alves de Lima
Engenheira Ambiental
(19) 3735-5430 – [email protected]
____________________________________________________________
DIRETORIA EXECUTIVA DA SANASA
Diretor Presidente – Arly de Lara Romêo
Chefe de Gabinete – Fernando Ribeiro Rossilho
Procuradora Jurídica – Maria P. P. A. Balesteros Silva
Diretor Administrativo – Lúcio Esteves Júnior
Diretor Comercial – Luiz Carlos de Souza
Diretor Financeiro e de Relações com Investidores – Pedro Cláudio da Silva
Diretor Técnico – Marco Antônio dos Santos
www.sanasa.com.br 0800 77 21 195