Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

download report

Transcript Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

Capítulo 8

Fluxos de caixa para orçamento de capital

slide 1 Copyright © 2009 Pearson Prentice Hall. All rights reserved.

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Objetivos de aprendizagem

1.

2.

3.

Compreender os principais motivos para a realização de investimento de capital e as etapas do processo de orçamento de capital. Definir a terminologia básica do processo de orçamento de capital.

Discutir os fluxos de caixa relevantes, a diferença entre decisões de expansão e de substituição, os custos irrecuperáveis e os custos de oportunidade e o processo de orçamento de capital internacional.

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 2

slide 3 4.

5.

6.

Calcular o investimento inicial associado a uma proposta de investimento de capital.

Identificar as entradas de caixa operacionais relevantes associadas a uma proposta de investimento de capital.

Determinar o fluxo de caixa terminal associado a uma proposta de investimento de capital.

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tomada de decisões no processo de orçamento de capital

Orçamento de capital

é o processo de identificação, avaliação e implementação das oportunidades de investimentos de uma empresa.

• Busca identificar investimentos que aumentem a

vantagem competitiva

de uma empresa e maximizem a riqueza de seus proprietários.

• A decisão mais comum de orçamento de capital envolve um grande investimento inicial, seguido de uma série de entradas de caixa menores.

• Decisões equivocadas de orçamento de capital podem levar à falência da empresa.

slide 4 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 5

Tabela 8.1

Principais motivos para a realização de investimento de capital © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Etapas do processo

Nosso foco está nas etapas 2 e 3

slide 6 1.

Geração de proposta.

2.

Revisão e análise.

3.

Tomada de decisão.

4.

Implementação.

5. Acompanhamento.

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Terminologia básica: projetos independentes e projetos mutuamente excludentes

• •

Projetos independentes

são aqueles que não competem com os recursos da empresa, a qual pode selecionar um, ou outro, ou ambos, contanto que atendam a limites mínimos de lucratividade.

Projetos mutuamente excludentes

são investimentos que competem de alguma forma com os recursos da empresa, a qual pode selecionar um ou outro, mas não ambos.

slide 7 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Terminologia básica: fundos ilimitados e racionamento de capital

• Se uma empresa dispuser de

fundos ilimitados

para investimento,

todos os projetos independentes

que proporcionem retorno aceitável poderão ser aprovados.

• Normalmente, contudo, as empresas operam sob condições de

racionamento de capital

. Isso significa que há um valor fixo disponível para investimentos de capital em um dado momento.

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 8

Terminologia básica: aceitação-rejeição e classificação

• O

enfoque da aceitação-rejeição

envolve avaliar propostas de investimento de capital para determinar se atendem a um critério mínimo para aprovação.

• O

enfoque da classificação

envolve elencar os projetos de acordo com alguma medida previamente definida, como a taxa de retorno.

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 9

slide 10

Terminologia básica: fluxos de caixa convencionais e não convencionais

Figura 8.1

Fluxo de caixa convencional © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 11

Figura 8.2

Fluxo de caixa não convencional © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Fluxos de caixa relevantes

• Fluxos de caixa incrementais: – são fluxos de caixa especificamente associados ao investimento e – seu efeito sobre os demais investimentos da empresa (positivo ou negativo) devem também ser levados em consideração.

slide 12 Por exemplo, se uma creche decide abrir outra unidade, o impacto dos clientes que podem decidir se mudar para a nova instalação deve ser avaliado.

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Fluxos de caixa relevantes: principais componentes do fluxo de caixa

Figura 8.3

Componentes do fluxo de caixa © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 13

Fluxos de caixa relevantes: d ecisões de expansão e de substituição

• Identificar os fluxos de caixa relevantes é relativamente simples no caso de

projetos de expansão

, o que não ocorre no caso de

projetos de substituição

.

• No caso das decisões de substituição, a empresa precisa identificar as saídas e as entradas de caixa incrementais que resultariam da troca proposta.

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 14

Figura 8.4

Fluxos de caixa relevantes para decisões de substituição slide 15 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Fluxos de caixa relevantes: c ustos irrecuperáveis e custos de oportunidade

• Os desembolsos de caixa já realizados (

custos irrecuperáveis

) são irrelevantes ao processo de decisão.

• Contudo, os

custos de oportunidade

, que são os fluxos de caixa que poderiam ser realizados por meio do melhor uso alternativo de um ativo pertencente à empresa,

são relevantes

.

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 16

Fluxos de caixa relevantes: p rocesso de orçamento de capital internacional

• O processo de orçamento de capital

internacional

difere da versão nacional porque: – as saídas e as entradas de caixa ocorrem em moeda estrangeira e – os investimentos externos podem implicar significativo risco político.

• Apesar desses riscos, o investimento direto estrangeiro cresceu rapidamente desde o fim da 2 a Guerra Mundial.

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 17

slide 18

Determinação do investimento inicial

Tabela 8.2

Formato básico para determinação do investimento inicial © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 8.3

Tratamento tributário na venda de ativos slide 19 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 20 Há dois anos, a Hudson Industries, uma pequena empresa de produtos eletrônicos, adquiriu uma máquina ao custo total de $ 100.000. O ativo estava sendo depreciado pelo MACRS com prazo de recuperação de cinco anos. Em outras palavras, 52% (20% + 32%) do custo de $ 100.000 representariam a depreciação acumulada ao final do segundo ano.

Valor contábil = $ 100.000 – $ 52.000 = $ 48.000

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Determinação do investimento inicial

• Venda do ativo por valor superior ao valor contábil.

Se a Hudson vender o ativo antigo por $ 110.000, realizará um ganho de $ 62.000 ($ 110.000 – $ 48.000). Tecnicamente, a diferença entre o custo e o valor contábil ($ 52.000) é chamada de depreciação recuperada, e a diferença entre o preço de venda e o de compra ($ 10.000) é chamada de ganho de capital. De acordo com as normas tributárias em vigor, a empresa deve ser tributada à alíquota marginal tanto pelo ganho quanto pela depreciação recuperada.

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 21

• Venda do ativo por valor superior ao valor contábil, mas inferior ao preço de compra.

Se a Hudson vender o ativo antigo por $ 70.000, apresentará um ganho sob a forma de depreciação recuperada de $ 22.000 ($ 70.000 – $ 48.000), que é tributado à alíquota marginal da empresa. slide 22 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

• Venda do ativo por valor igual ao valor contábil.

Se o ativo for vendido por $ 48.000, não haverá perda nem ganho e, portanto, nenhuma incidência de imposto sobre a venda.

slide 23 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

• Venda de um ativo por valor inferior ao valor contábil.

Se a Hudson vender o ativo por $ 30.000, que é menos do que seu valor contábil de $ 48.000, terá um prejuízo de $ 18.000 ($ 48.000 – $ 30.000). Se o ativo for depreciável e usado em suas operações, o prejuízo poderá ser lançado contra o resultado operacional ordinário. Se o ativo não for depreciável nem usado nas operações da empresa, o prejuízo só poderá ser usado para reduzir os ganhos de capital.

slide 24 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Figura 8.5

Resultado tributável com a venda de um ativo slide 25 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

• Variação do capital de giro líquido A metalúrgica Danson Company está considerando expandir as operações. Os analistas financeiros esperam que a variação das contas circulantes resumida na Tabela 8.4 ocorra e se mantenha ao longo da expansão. slide 26 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 27

Tabela 8.4

Cálculo da variação do capital de giro líquido da Danson Company © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

A Powell Corporation, uma grande fabricante diversificada de componentes para aeronaves, está buscando determinar o investimento inicial necessário para substituir uma máquina em uso por um modelo novo e mais sofisticado. O preço proposto dessa aquisição é de $ 380.000, e serão necessários mais $ 20.000 para instalação. A máquina nova será depreciada pelo MACRS ao longo de cinco anos. A empresa encontrou um comprador disposto a pagar $ 280.000 pela máquina existente e retirá-la da fábrica por conta própria e espera que a substituição seja acompanhada de um aumento de $ 35.000 do ativo circulante e de $ 18.000 do passivo circulante. A empresa é tributada à alíquota de 40%.

slide 28 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 29 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Determinação das entradas de caixa operacionais

A Tabela 8.5 fornece as estimativas que a Powell Corporation fez de suas receitas e despesas (exceto depreciação e juros) com e sem a máquina proposta que foi descrita no exemplo anterior. Observe que tanto a vida útil do modelo novo quanto a remanescente da máquina existente é de cinco anos. O valor depreciável referente à máquina proposta é dado pela soma do preço de aquisição de $ 380.000 com os custos de instalação de $ 20.000.

slide 30 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 8.5

Receitas e despesas da Powell Corporation (exceto depreciação e juros) para as máquinas proposta e existente slide 31 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 8.6

Despesas de depreciação das máquinas proposta e da existente da Powell Corporation slide 32 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 33

Tabela 8.7

Cálculo das entradas de caixa operacionais usando o formato da demonstração de resultados © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 8.8

Cálculo das entradas de caixa operacionais da máquina proposta e da existente da Powell Corporation slide 34 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 35

Tabela 8.9

Entradas de caixa operacionais incrementais (relevantes) da Powell Corporation © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 36

Determinação do fluxo de caixa terminal

Tabela 8.10

Formato básico para determinação do fluxo de caixa terminal © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Dando continuidade ao exemplo da Powell Corporation, vamos supor que a empresa espera liquidar a máquina nova ao final de sua vida útil de cinco anos por $ 50.000 líquidos, após arcar com os custos de remoção e limpeza. A atual pode ser liquidada ao final dos cinco anos por $ 10.000 líquidos. A empresa espera recuperar o investimento de $ 17.000 no capital de giro líquido, quando do encerramento do projeto. A alíquota do imposto de renda é de 40%.

slide 37 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 38 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Síntese dos fluxos de caixa relevantes

slide 39 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.